Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Filho de Eneias


Terça-feira, 01.10.13

Crónicas do planeta da bola (I) - a diplomacia católica de Romário

Se o Futbol Club Barcelona é "més que un club", o "Dream Team" de Cruyff será, seguramente, "més que un equipo". Nos idos da década de 90, a fabulosa equipa dirigida pelo mago holandês era o palco privilegiadíssimo do desenrolar ininterrupto das estórias mais saborosas do planeta futebolístico. Algumas delas tiveram como protagonista o baixinho Romário, um jogador que, para lá da sua imensa qualidade futebolística, não descurava uma certa excentricidade no modo como se movimentava nos bastidores do mundo da bola. Em 1993, o brasileiro era já tido por muitos como um dos melhores jogadores do mundo. O interesse do Barcelona surgiu, portanto, com toda a naturalidade,  sendo que, no Verão do dito ano, o Baixinho acabaria por transferir-se para a Ciudad Condal, numa movimentação que rendeu uns bons e belos cobres às arcas do PSV Eindhoven. Mas deixando de lado os contornos financeiros da aquisição do passe do brasileiro, houve alguns acontecimentos que, ainda hoje, passados 20 anos, são recordados com bastante humor pelo adepto culé. Um deles foi particularmente glosado na imprensa local, dando origem, na época, a caricaturas deveras hilariantes. Como podem ver pela foto acima postada, Romário teve, na sua estada em Barcelona, contactos ao mais alto nível com alguns prelados da Igreja Católica. A coisa dita assim deste modo soará, a alguns ouvidos, a uma brincadeira de Carnaval, e, no fundo, é compreensível que assim o seja. Mas, a verdade é que o craque brasileiro era diferente dos demais companheiros de profissão, o que explica, de certa maneira, a sua total despreocupação para com a normalidade protocolar então vigente. O contacto com os curas catalães tem uma explicação quase anedótica, que não evitará, decerto, umas boas gargalhadas aos excelentíssimos leitores. Sigam então o espoletar desta maravilhosa epifania futebolística. Após os contactos iniciais com o então vice-presidente Gaspart, nos quais foram acordadas as principais cláusulas do vínculo que ligaria o Baixinho ao Barça, Romário viajou para a Catalunha, em direcção a LLanaveres, para pernoitar na casa de Verão de Gaspart. Seria aí, nessa residência, que Romário e o mencionado vice-presidente assinariam o acordo final que ligaria o brasileiro ao FC Barcelona. No final dessas diligências, Romário deixaria toda a gente estupefacta, ao sugerir uma ida à missa para celebrar a assinatura do dito acordo. Como devem calcular, o staff do clube aceitou de bom grado a excêntrica proposta do geniozinho brasileiro, de modo que a paróquia de Sant Vicenç de Montalt (a mais próxima do local onde se encontravam) teve naquele dia um visitante muito especial. Foi aí que Romário travou conhecimento com o padre de Sant Vicenç, com o qual estabeleceu, aliás, uma relação de profunda amizade, que teria a posteriori consequências muito positivas para as finanças da paróquia. Foi Romário que, num dos seus habituais gestos de emprestador de último recurso, financiou algumas das obras de beneficência desenvolvidas pela comunidade católica do lugarejo. De facto, não é para todos. 

Mas as excentricidades de Romário, na sua chegada à capital da Catalunha, não ficariam por aqui. Pouco tempo depois, antes da sua apresentação oficial aos sócios, o Baixinho surpreenderia tudo e todos ao aparecer na Praça de Touros Monumental, para assistir a uma tourada de morte. Quando o público se apercebeu da sua presença, a lide foi interrompida para uma tremenda ovação, que durou vários minutos. Para um recém-chegado, não há dúvida de que a recepção em causa superou todas as expectativas, ainda para mais sabendo que o craque canarinho apreciava a festa culta por excelência. As anedotas de Romário continuariam por muito tempo, até porque a sua relação com Cruyff, cheia de estados de alma, foi uma verdadeira arca do tesouro, repleta de episódios dignos de um sketch dos Monty Python. Desde as promessas de golos com direito a mini-férias, até ao especialíssimo regime de treino que incluía o não comparecimento nas sessões estipuladas, os contos efabulados da estada de Romário no FC Barcelona dariam, certamente, para mais algumas postas. Por hoje basta a menção aos conciliábulos católico-taurinos de um jogador que nunca deixou de surpreender. Como dizia Valdano, Romário era um jogador de desenhos animados. Resta acrescentar que o foi dentro e fora das quatro linhas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por João Pinto Bastos às 00:26


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031